Facilitando o aprendizado em tempos de crise

Por Carolina Andrade, 27 de Maio de 2020

Compartilhe o conteúdo!

Como organizar a comunicação para passar a sua mensagem de forma eficaz

É normal que se gaste bastante tempo e energia no preparo de cursos, treinamentos e até apresentações em reuniões de trabalho. Há que se garantir a excelência do conteúdo e o preparo do facilitador, mas será que essa energia está se refletindo na aprendizagem almejada de nossos ouvintes? Estamos conseguindo instruí-los, de fato? É necessário readequarmos as formas de interação, pois estamos em um momento em que o tempo é escasso e os eventos primordialmente on-line. Para isso há ferramentas e métodos que facilitem o processo de comunicação. O método ROPES é um deles.

Robert Gagné, psicólogo educacional norte-americano, desenvolveu esta técnica instrucional para garantir que o aprendizado se concretize. ROPES é a sigla para Review Overview Presentation Exercise Summarize.

Revisão (Review)

O primeiro momento da comunicação deve acessar o conhecimento prévio do aprendiz. O objetivo é que ele situe internamente, o assunto em questão de forma lhe faça sentido. Do lado do facilitador, pode-se avaliar ajustes no discurso a partir do nível de entendimento da plateia. Perguntas simples e diretas como: “você conhece tal fato?” ou “você se lembra de ter visto ...?” podem fazer parte deste momento. Especialistas sugerem gastar de 5 a 10% do tempo de instrução neste tópico.

Visão Geral (Overview)

É hora de organizar as expectativas do aprendiz e identificar o objetivo da comunicação a ser feita. Pode-se usar de afirmações como: “o objetivo desta seção é” e “tais conteúdos serão discutidos”, para transmitir esta mensagem. Orienta-se gastar pouco tempo neste momento, mas ele é fundamental.

Apresentação (Presentation)

Parte do coração da aprendizagem, a apresentação pode ter mais resultados sendo reorientada para incluir, além da parte conceitual, exemplos e aplicações práticas. Deve-se ter uma atenção especial para não ultrapassar 35% do tempo total, já que especialistas orientam objetividade na explanação.

Prática (Exercise)

Neste momento, deve-se tirar o aprendiz de uma situação passiva e trazê-lo para uma posição de protagonista do processo de aprendizado. É muito mais eficaz quando o aprendiz constrói, ele mesmo, o ensinamento. Especialistas orientam que 50% do tempo total seja gasto com atividades que levem ao exercício prático do que está sendo comunicado. O uso de dinâmicas e estudos de casos deve ser amplamente explorado e é papel do facilitador garantir o engajamento do aprendiz e dar feedbacks.

Síntese (Summarize)

Por fim, o facilitador deve sintetizar todo o conteúdo passado na sessão, ajudando o aprendiz a construir e absorver o significado da experiência. Não é simplesmente encerrar a comunicação, e sim conectar os diferentes momentos do aprendizado num todo coerente e coeso. A mensagem final deve induzir o aprendiz a colocar em prática o que foi aprendido. A orientação é ser breve e usar até 5% do tempo total em questão.

Comunicar em tempos de crise ganha importância ao mesmo tempo que impõe um desafio. A técnica ROPES traz orientações simples e factíveis para tornar o processo eficaz e garantir o aprendizado. Criada tendo como foco a sala de aula, pode ser usada para orientar qualquer comunicação. Não basta ter um bom conteúdo, é fundamental uma estratégia para que ele seja absorvido, tornando o processo de aprendizagem efetivo.

Dúvidas?
Entre em contato!

Carolina Andrade

Carolina Andrade

Consultora e Pesquisadora Sênior

Está sempre em busca de formas mais assertivas de comunicação. Carolina é Consultora e Pesquisadora Sênior em Gestão da Inovação especialista em projetos tecnológicos incentiváveis e desenho de estratégias para inovação. Com 20 anos de experiência na área, atuou em Institutos e Parques Tecnológicos. Fez seu pós-doc na Suécia sobre sistemas abertos de inovação.

conteÚdos relacionados

Conheça os graus de inovação

Saiba mais
Os diferentes graus de inovação: Para que servem e como utilizá-los?

Conheça grandes mulheres que representam a inovação feminina na História.

Saiba mais
Inovação feminina: Conheça algumas mulheres que inspiraram nossa história

Você sabia que existem vários tipos de inovação? Sim, existem quatro tipos de inovação, conheça-as neste artigo!

Saiba mais
Principais tipos de inovação: Saiba qual a mais adequada para a sua organização

Ainda dá tempo de usar a Lei do Bem para o ano-base 2020? Confira neste post nossa visão...

Saiba mais
O fim do ano chegou. Como estão contabilizados os dispêndios e benefícios do ano-base 2020?

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Conheça nossa Política de Segurança.