Visualização de dados, o que é como utilizar

Por Rafael Piveta, 17 de Setembro de 2019

Compartilhe o conteúdo!

Visualização de dados, o que é como utilizar

Acompanhe a sequência de publicações a respeito de interpretação de dados e entenda como utilizá-los de forma assertiva e em diferentes situações.
Na primeira parte nós explicamos o Conceito de dados e como diferenciá-los, agora iremos mostrar como utilizar dados para ilustrar ideias.


Parte2: Declarativo x Conceitual: Ilustração de Ideias

Uma metáfora comumente utilizada para explicar a metodologia do Design Thinking é o duplo diamante. Cada uma das metades do diamante é utilizada para representar uma etapa divergente, onde se busca entender o problema de maneira abrangente e as possibilidades de ideação se ampliam. Já a esfera convergente do diamante diz respeito ao momento de focar em um problema ou solução.

O duplo diamante é, portanto, um exemplo de ilustração de ideias. Ele é conceitual pois não estamos medindo de maneira palpável a quantidade de ideias e soluções em cada etapa.  É declarativa pois já sabemos de antemão o que queremos comunicar, não estamos utilizando estas representações para ter insights. O exemplo já dado na figura mostrada anteriormente, a qual mostrava a intensidade e o tempo levado para a execução de um projeto, também se enquadra neste perfil de visualização de dados. Outros exemplos bastante comuns são organogramas hierárquicos de empresas.


Visualizações deste tipo são comumente utilizadas para comunicar ideias complexas, utilizando o recurso gráfico para passar a mensagem de maneira mais direta. Ao utilizar este tipo de dataviz, devemos dar preferência a um design clean e minimalista, colocando apenas elementos que adicionam informações relevantes.


No exemplo do diamante um erro seria tentar representar os diamantes de maneira tridimensional, o que iria adicionar uma complexidade desnecessária à representação. O foco, neste tipo de visualização, deve ser achar a metáfora visual mais adequada e organizar as informações de maneira lógica e estruturada. Alguma expertise em design pode também ser útil.

*Toda essa publicação foi realizada a partir do estudo disponível nos links abaixo:

[1] https://hbr.org/2016/06/visualizations-that-really-work[2] https://maaw.info/ArticleSummaries/ArtSumBerinato2016.htm

Rafael Piveta

Rafael Piveta

Consultor

Graduado em Engenharia Mecânica pela Faculdade Estadual de Campinas. Atua como consultor na Pieracciani, realiza uma gama de projetos na área da gestão da inovação, desenvolve elaboração de estratégia de inovação, mapeamentos tecnológicos e análises de tendências. Atua também na gestão do ProVA, Laboratório de Inovação do varejo, onde projeta ações para o fortalecimento do ecossistema de inovação.

conteÚdos relacionados

Entenda o Rota 2030 em 3 minutos

Saiba mais
Entenda o Rota 2030: 3 capítulos em 3 minutos

“Vale a pena viver. Independente da situação”, Taiu Bueno. 

Saiba mais
Superação como Propósito

Como o hobbie pode beneficiar sua vida pessoal 

Saiba mais
Da montanha ao escritório

Descubra o que é preciso para identificar e garantir que sua empresa seja inovadora

Saiba mais
Evento: A cultura da sua empresa é favorável à Inovação?