O que a expansão da AmazonGo pode nos ensinar?

Por Haroldo Luis Nascimento Pereira, 28 de Setembro de 2018

Compartilhe o conteúdo!

Dependendo de quanto você for conectado às áreas de Varejo e Inovação, possivelmente já conhece a loja física da Amazon, a AmazonGo, um mercado que emprega alta tecnologia e opera sem caixas no checkout. Funciona assim: ao entrar na loja, você passa seu celular por um leitor de QR Code que informa ao sistema sobre a sua chegada; então, basta escolher os itens e ir embora. O valor da compra é debitado diretamente na sua conta da Amazon, sem filas nem espera por caixas livres. A primeira AmazonGo foi fundada em 2016, em Seattle.

Pois bem, há uma semana a rede de notícias Bloomberg* anunciou que até 2021 a Amazon considera abrir 3 mil lojas cashierless como essa. O desafio no momento é definir o mix de produtos e reduzir os custos; no projeto da loja de Seattle foram investidos cerca de $1 milhão apenas em software, por exemplo.

O impacto nas ações de supermercados concorrentes foi imediato. Grandes redes, como Walmart e Target, reportaram queda nas vendas.

Esse movimento (de abrir lojas físicas) desafia o pensamento contemporâneo de que tudo está migrando para o digital e que tais estabelecimentos definharão até morrer. O ponto principal aqui talvez seja entender que tudo o que pode ser melhorado por meio da tecnologia está passando por transformações. Não é da morte das lojas físicas que se trata, e sim da morte do varejo como conhecemos hoje.

Em alguns casos, a solução será migrar para plataformas tecnológicas; em outros, passa por reinventar o espaço físico. É o caso das redes de supermercados, por exemplo. O que a AmazonGo está fazendo é aplicar ao varejo a alta tecnologia que poderá gerar otimização de processos, aperfeiçoamento da experiência de compra e melhores resultados.

Nessa perspectiva, determinados itens poderão ser comprados on-line, enquanto produtos de conveniência e comida pronta contribuirão para reforçar o portfólio das lojas físicas.

Em vez da alta variedade, característica fundamental do modelo de negócio on-line, na AmazonGo o objetivo é oferecer conveniência.

Provavelmente, daqui a algum tempo, estaremos de volta aqui discutindo como os algoritmos de preço, tão importantes para o negócio on-line, serão aplicados para determinar valores nas lojas físicas; afinal, já se tem a informação sobre o usuário antes mesmo de ele pegar o produto na prateleira. Inovar na estratégia de precificação, visando potencializar as vendas e captar mais clientes, também pode ser um caminho importante a trilhar. Quem viver verá.

*clique para acessar matéria da Bloomberg  

Haroldo Luis Nascimento Pereira

Haroldo Luis Nascimento Pereira

Gerente no Banco Bradesco

Especialista em Estratégia e Política Internacional pela Escola de Sociologia de São Paulo e possui MBA em Negócios de Varejo, com foco em Estratégia e Gestão pela FIA/USP. Haroldo certificou-se como Gestor da Inovação pelo programa IBELT - Yellow e hoje faz parte do Núcleo de Inovadores!

conteÚdos relacionados

Além das metas de eficiência energética e rotulagem veicular, estão previstas também no Rota 2030 diversas metas e compromissos

Saiba mais
O Rota 2030 pode ajudar na segurança veicular

Quando se trata de tendências, nós da Pieracciani acreditamos ser de extrema importância que todos tenham ciência do foco que as

Saiba mais
Quais são as startups que mudarão o mundo em 2019?

As fábricas de automóveis e caminhões, bem como as de seus componentes, vêm sendo continuamente otimizadas, quando não

Saiba mais
O Rota 2030 e a Engenharia do Processo Produtivo

O Ministério da Economia publicou em 12 de março a Portaria nº 86, que regulamenta os procedimentos para credenciamento de

Saiba mais
Governo publica portaria que regulamento conselho gestor e aportes financeiros do regime de autopeças