Cinco presidenciáveis falam de propostas de tecnologia e inovação

Em 08 de Agosto de 2018

Compartilhe o conteúdo!

Evento de tecnologia da BrazilLab e do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS), comandado pelo apresentador Luciano Huck, convidou apenas cinco dos candidatos à Presidência da Repúlbica para apresentarem suas propostas para o setor e agenda de inovação.
 
Sem o candidato do PT à disputa, Luiz Inácio Lula da Silva, e também sem contar com a presença do registrado a vice, Fernando Haddad, o apresentador ouviu as propostas de Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Henrique Meirelles (MDB), Guilherme Boulos (PSOL) e João Amoêdo (Novo).
 
Denominado GovTech Brasil, o evento foi realizado no hotel Tivoli Mofarrej, próximo da avenida Paulista, em São Paulo, nesta terça-feira (07). 
 
 
A justificativa usada pelas empresas para a limitação dos convidados foi que os convites foram enviados a todos que detêm a partir de 1% das intenções de voto. Mas que Ciro Gomes (PDT), Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad (vice na chapa de Lula, do PT) e Álvaro Dias (Podemos) não puderam comparecer por outros eventos já previamente agendados para a data.
 
 
Tecnologia para todos 
 
Em sua fala, o único candidato da esquerda a participar, Guilherme Boulos, afirmou que é a favor da implementação da identidade digital para facilitar a gestão pública.
 
"É preciso uma unificação dos documentos e, a partir daí, fazer uma ouvidoria, usar a tecnologia como forma de participação e consulta das pessoas. Seguramente, hoje no país, se pudessem fariam isso pelo celular, que está em maior número do que a própria população. As pessoas precisam participar da decisões - metade daqueles que compõem o Congresso já estariam fora de lá. Há formas de participação que precisam ser valorizadas", disse.
 
Também alertou para a falta de internet em diversas regiões do país, como Acre, Mato Grosso do Sul e Pará, e defendeu a universalização do acesso, já previsto no marco civil, e fazer chegar a internet por todo o Brasil. 
 
Como exemplo para o investimento público na área, lembrou que marcar célebres, como a Apple, foram criadas com dinheiro do Estado. "A ciência e a tecnologia no mundo vêm do investimento público. No Brasil, hoje, menos de 1% do PIB é destinado à Ciência e Tecnologia", criticou. 
 
"Acreditar que o setor privado é a panaceia que vai resolver tudo; eu não compartilho dessa ideia", concluiu. Mas diz ser contra o uso da tecnologia quando visa substituir empregos e, com isso, ser mais barato para as empresas. "O debate não é simplesmente substituir postos de trabalho por tecnologia. É preciso avaliar como a tecnologia pode servir em cada caso."
 
Presidente Geek
 
O indicado sucessor de Michel Temer pelo MDB, Henrique Meirelles, voltou-se mais ao passado, do que ele já fez, para seguir na mesma linha: "Como ministro fiz projetos importantes, como a digitalização de todas as operações da receita federal. Temos o problema da complexidade burocrática".
 
Mencionou, por exemplo a existência de 48 aplicativos criados pelo governo à população. E decidiu usar termos da área para tentar mostrar que domina o tema: "Temos uma serie de aplicativos feitos por cada ministério. Precisamos de algo unificado, centralizado, único. Para isso precisa de um geek como presidente".
 
Sem dizer como, defendeu que a tecnologia seja usada para "dar um salto de crescimento na educação, saúde, segurança e produtividade" e que, para estudar como isso se daria, seria necessária a criação de "um gabinete digital".
 
Fã de concessão e PPP
 
O tucano Geraldo Alckmin tentou aliar as propostas da área digital com o controle do país. "Essa não é uma questão de ministério. O Brasil tem 17 mil km de fronteira seca. Sem tecnologia é impossível monitorar isso. Então precisa ser implementado na segurança, na saúde, na educação, visando redução de custos e de ser uma vacina contra desvios", disse.
 
Ao falar sobre identidade digital, disse que é preciso mudar a "cultura do carimbo, do selo, do documento", e também sem dar muitas explicações de como, disse que "nosso tempo é o da mudança e da velocidade da mudança".
 
Por fim, o presidenciável do PSDB foi na contramão do que defendeu Boulos sobre os investimentos públicos para a área, e disse ser "fã de concessão e PPP", ou seja, a privatização de setores e áreas que deveriam ser de investimentos do Estado. 
 
"O estado precisa planejar, regular, fiscalizar. Não precisa ser empresário. Fica mais forte assim. Estabelece as prioridades, os marcos regulatórios, sem partido. A PPP é um bom caminho", defendeu.
 
Transparência
 
A representante da REDE para disputar as eleições foi a única que mencionou a tecnologia digital para auxiliar na transparência públicas. "São informações e dados utilizados a partir da boa gestão, com combate a toda e qualquer forma de desvio."
 
Para ela, "a tecnologia tem que impulsionar os serviços para que sejam mais acessíveis e de qualidade". 
 
E destacou, mais de uma vez, o uso da tecnologia para disponibilizar dados sobre o meio ambiente e o desmatamento da Amazônia. "É possível implementar a tecnologia nas áreas da segurança, saúde, em ações de combate aos crimes ambientais, na detecção de desmatamento, na proteção da biodiversidade, no envolvimento da sociedade em diferentes níveis."
 
E também defendeu a proteção de dados de cada um: "É preciso segurança, a proteção dos indivíduos, pois são informação que poderiam ser usadas para interesses escusos. Trabalhamos com a ideia de criar um sistema para proteger os cidadãos. É desejável uma base integrada, mas proteger o cidadão, sem deixá-lo vulnerável."
 
Fonte: https://jornalggn.com.br

conteÚdos relacionados

Além das metas de eficiência energética e rotulagem veicular, estão previstas também no Rota 2030 diversas metas e compromissos

Saiba mais
O Rota 2030 pode ajudar na segurança veicular

Quando se trata de tendências, nós da Pieracciani acreditamos ser de extrema importância que todos tenham ciência do foco que as

Saiba mais
Quais são as startups que mudarão o mundo em 2019?

As fábricas de automóveis e caminhões, bem como as de seus componentes, vêm sendo continuamente otimizadas, quando não

Saiba mais
O Rota 2030 e a Engenharia do Processo Produtivo

O Ministério da Economia publicou em 12 de março a Portaria nº 86, que regulamenta os procedimentos para credenciamento de

Saiba mais
Governo publica portaria que regulamento conselho gestor e aportes financeiros do regime de autopeças